AÇÕES SINDICAIS

Dia D aproxima candidatos com deficiência das vagas de emprego formal

02/10/2017



 

O Siemaco participou da maior ação nacional de promoção ao trabalho e inclusão da Profissional com Deficiência no mercado formal, o Dia D, na sexta-feira (29). Realizada em todo o Brasil numa organização do governo federal, em São Paulo contou com a parceria dos governos do Estado e Prefeitura Municipal, com o apoio dos sindicatos patronais, Seac e Selur.

O “Dia da Inclusão Social e Profissional das Pessoas com Deficiência e dos Beneficiários do INSS” reuniu cerca de mil pessoas que buscam emprego. Foram oferecidas1275 vagas, inclusive por empresas do segmento da limpeza. Entre elas: Paineiras, GRSA, Socicam e Centro.

Após triagem, realizada pelo CAT (Centro de Apoio ao Trabalhador) todos os candidatos foram encaminhados para uma vaga, conforme perfil profissional e região onde reside. Eles também puderam entregar currículo nas empresas, aumentando as chances reais de emprego.

Engajamento das empresas do segmento do Asseio e Conservação

As empresas Centro, GRSA, Paineiras e Socicam destacam-se dentre aquelas que apoiam a causa PcD e não apenas cumprem a Lei de Cotas. Durante o Dia D, os profissionais de Recursos Humanos trabalharam em mutirão, selecionando candidatos. Com um número tão grande de candidatos, todos foram questionados sobre o interesse em trabalhar na área da limpeza e caso afirmativo, seus currículos incluídos no Banco de CV, para posterior contratação na medida em que as vagas forem surgindo.

A advogada do Grupo Monteiro, Rosemaire Cardoso Damasceno, acompanhou o trabalho do analista de RH, Fábio Alves Marcolino, que buscava preencher dez vagas para portaria. Marina Esteves Monteiro Manoel, analista de RH da Sociccam participou do evento pelo segundo ano consecutivo. “Este ano recebemos muito mais candidatos. Certamente a crise no emprego atraiu ainda mais PcDs”, afirmou.

Atenta para incluir o maior número de informações possíveis dos candidatos, entre eles o CID (Código Internacional de Doenças) e um telefone para contato,  Giorgia Terri, analista de treinamento da Centro, disse que o número de vagas para PcDs deve aumentar com a fusão da empresa, que passará a ter seis mil funcionários.

Frente a um trabalho ímpar de inclusão realizado na Paineiras, a gerente de Recursos Humanos, Cristiane Vasconcelos, deu atenção total aos candidatos. O Dia D, explicou, foi uma oportunidade para contatar candidatos das demais regiões da cidade, expandindo a área de seleção da Zona Leste.

Bacharel em Direito, Vanildo Carlos Dias Júnior, 33 anos, trabalha como autônomo e busca um emprego com carteira assinado. “Quero uma segurança e aceito qualquer emprego, inclusive na limpeza”, afirmou.

Cego total ele perdeu a primeira visão aos 19 anos e a segunda aos 25, em consequência da retinopatia diabética, ele foi sozinho até o Dia D. Com muita luta ele conseguiu concluir o curso superior, testemunhando que nem todas as faculdades e universidades estão preparadas para receber alunos com deficiência. A única atividade que ele confessa que ainda não consegue desempenhar é o Kung-Fú, que praticava nos tempos que conseguia enxergar.

Trabalho que dignifica

Em entrevista ao Siemaco, a Procuradora do Trabalho PRT/SP, da Coordenadoria Nacional de Promoção de Igualdade de Oportunidades e Eliminação da Discriminação no Trabalho (Coordigualdade) do Ministério Público do Trabalho, Valdirene Silva de Assis, disse que a inclusão da Pessoa com Deficiência no mundo laboral “é um trabalho árduo que envolve todas as instâncias, entre empresas, departamentos públicos, privados e sindicatos. Há muito ainda a ser feito para otimizar as ações.”

Atenta às mudanças advindas da Reforma Trabalhista e que se anunciam com a Reforma Previdenciária, disse que ambas trarão prejuízos ao trabalhador. “É um retrocesso que irá diminuir os direitos. Precisamos gerar um discussão ampla, junto aos movimentos sociais, para  defender as conquistas históricas da classe trabalhadora.”

Ela, que acompanhou as ações do Dia D durante todo o dia, ficou particularmente interessada pelas ações dos sindicatos na defesa e promoção do trabalho das Pessoas com Deficiência. Quanto à Lei de Cotas, enfatizou que o MPT fiscaliza, orienta e apenas depois penaliza as empresas.

‘É preciso sensibilidade e boa vontade às questões afetas, pois o direito ao trabalho é de todos os cidadãos”, afirmou. Taxativa, conclamou os profissionais com deficiência que tiverem dificuldade em ser atendido pelas empresas, sofrerem qualquer tipo de discriminação ou constrangimento ou mesmo precisar fazer uma denúncia a procurarem o Ministério Público do Trabalho ou as Procuradorias Regionais do Trabalho.

Para o coordenador do Programa de Inclusão da Pessoa com Deficiência da SRTE/SP, o auditor fiscal do trabalho, José Carlos do Carmo (Kal), os sindicatos exercem papel fundamental na promoção do emprego para PcDs. Sugeriu, inclusive, que o Siemaco, com apoio do Seac e Selur, realize ações semelhantes ao Dia D, beneficiando profissionais que possam trabalhar nos segmentos representados (Asseio e  Conservação, Limpeza Urbana e Áreas Verdes).

O Secretário Estadual de Emprego e Relações de Trabalho, José Luiz Ribeiro, destacou a importância do trabalho e sobretudo a junção de esforços dos governos federal, estadual e municipal para a realização do Dia D enquanto a Secretária Adjunta da Pessoa com Deficiência lembrou aos candidatos que com a oportunidade vem a responsabilidade. “Cada um de nós, realizando um bom trabalho, abriremos portas para os demais. Caso contrário, as fecharemos.”

Leia abaixo, o discurso da diretora do Siemaco, Silvana Souza:

Com muito prazer, falo aqui em nome dos presidentes do Siemaco, Moacyr Pereira, Seac, Rui Monteiro e Selur, Marcio Matheus que, pelo segundo ano consecutivo, apoiam este Dia D!

Somos os sindicatos que representam os trabalhadores e empresas dos segmentos da Limpeza, aonde os Profissionais com Deficiência vêm comprovando que não há limites no mundo do trabalho.

Mesmo aqueles que usam o próprio corpo, com o nosso pessoal, mostram as suas competências. Eles estão nas ruas, nas empresas e nos parques, cuidando de todos nós!

No passado, como profissional de Recursos Humanos, sempre foquei nas competências e não limitações ao selecionar funcionários para as empresas em que trabalhei. Hoje, como sindicalista, promovo ações que beneficiem o maior número de trabalhadores possíveis.

A Lei de Cotas tem dois lados: o positivo, que insere, mas também o negativo, que nos lembra que ainda há discriminação no mundo do trabalho...

Como cidadã, acredito que não existem limites para nenhuma pessoa que se disponha a realizar os seus projetos.

A deficiência, que para alguns parece limitante, na verdade expande... Conviver com uma Pessoa com Deficiência é uma oportunidade de aprendizado!

Em nome dos sindicatos que represento agradeço a todos os parceiros envolvidos neste Dia D. Em especial as empresas que abrem hoje o mundo do trabalho para os Profissionais com Deficiência.

Espero que num futuro próximo não tenhamos mais Dias Ds, quando a inserção profissional que almejamos seja prática comum, como deveria ser...

Boa sorte aos candidatos aos empregos oferecidos, sucesso aos selecionadores nos processos de seleção.

Obrigada a todos!  

Atenção:

Há 26 anos a Lei de Cotas é o principal instrumento legal para inclusão da Pessoa com Deficiência e Reabilitados do INSS no mercado de trabalho. Ela determina que todas as empresas com mais de 100 funcionários destinem entre 2 a 5% de suas vagas para trabalhadores que se encaixem nesse perfil.

O Brasil garante, ainda, a renda de um salário mínimo mensal à pessoa com deficiência de qualquer idade com impedimentos de natureza física, mental, intelectual ou sensorial. Trata-se do Benefício da Prestação Continuada (BPC) da Lei Orgânica da Assistência Social (LOAS).